Não negociamos com terroristas… Este é o princípio básico de países como os Estados Unidos. Ouvimos estas palavras proferidas em vários filmes e até mesmo em briefings políticos, e agora a idéia de permanecer vigilante em tempos de conflito parece estar se infiltrando na mente de várias outras nações, inclusive da Argentina.

A Argentina não quer abrir mão de sua Bitcoin

Recentemente, o país sul-americano teve um pequeno problema com os cyberhackers. A agência nacional de migração do país foi forçada a um desligamento temporário não há muito tempo, depois que os ciberpilotos ganharam o controle das redes e dados do escritório e criptografaram as informações que possuíam para resgate.

„Pagar em Bitcoin Revolution ou pagar em dados perdidos“ parecia ser o lema dos maus atores, mas a Argentina aparentemente tem se mantido firme, recusando-se a ceder diante do terrorismo, e no momento em que escrevo, os reguladores afirmam que o ataque cibernético foi contido.

O incidente resultou na diminuição de várias das táticas migratórias da Argentina, incluindo o controle de fronteiras. Além disso, o Sistema Integrado de Captura Migratória (SICaM) também foi muito afetado, o que resultou temporariamente na impossibilidade de muitas pessoas saírem ou entrarem no país.

Entretanto, em uma declaração emitida no final de agosto, a agência comentou que a infra-estrutura central do escritório não foi afetada pelos hackers, nem qualquer informação corporativa foi roubada ou comprometida. No momento da imprensa, entretanto, não está claro o que esta „informação corporativa“ contém.

De acordo com várias fontes de notícias latino-americanas, o ataque foi realizado pela Netwalker, um grupo de hackers de resgate que supostamente exigem bitcoin para a liberação de dados criptografados aos proprietários originais. Inicialmente, os hackers até enviaram a muitos funcionários do governo uma mensagem de advertência de que tentar recuperar o acesso a seus arquivos sem um „programa decriptor“ poderia potencialmente danificar os dados ou torná-los „impossíveis de serem recuperados“.

A partir daí, o grupo também colocou algumas das informações que roubou na Internet como prova de que era responsável pelo ataque e que os dados estavam de fato em suas mãos. Os hackers inicialmente queriam $2 milhões em bitcoin em troca da informação, embora esta quantia tenha sido posteriormente dobrada para $4 milhões por razões desconhecidas.

Não estamos dando um centímetro

No momento de escrever, a agência diz ter conseguido deter o ataque, embora não esteja claro se a organização obteve alguma de suas informações de volta. De qualquer forma, os relatórios sugerem que a agência ainda não pagou a taxa solicitada, nem indicou que o fará. Parece que a Argentina está procurando terminar a luta que outra entidade começou e se recusa a negociar.

O Live Bitcoin News vai dar mais informações sobre esta história se novos desenvolvimentos forem trazidos à luz.

(Author)
Keine Beschreibung. Bitte aktualisiere dein Profil.

Zeige alle Beiträge vonadmin